Eleições: TV continua como peça fundamental e influencia discussões virtuais

Ao contrário do que alguns especialistas previram, a TV foi peça fundamental nas Eleições 2018. Um exemplo disso foi a quantidade de interações nas redes sociais que partiram da televisão. Uma análise da FGV DAPP mostrou que o conteúdo criado para a TV mobilizou muito mais interações no Youtube do que o material produzido especificamente para a plataforma.

Foram analisados os 20 vídeos mais visualizados entre os dias 1º de julho e 10 de setembro deste ano sobre os cinco candidatos mais bem posicionados nas pesquisas de intenções de voto: Jair Bolsonaro, Fernando Haddad, Ciro Gomes, Geraldo Alckmin e Marina Silva.

O resultado da pesquisa revelou que as reproduções de conteúdo televisivo foram 59% mais vistas do que os vídeos que não têm relação com a TV, o que corresponde a cerca de 14 milhões a mais. Apesar de o Facebook não fazer parte do estudo, a mesma dinâmica pode ser observada nos vídeos compartilhados na rede social, principalmente os que tratavam dos debates presidenciais.

Debates nas emissoras

No debate promovido pela RedeTV!, no dia 17 de agosto, foram geradas 619.086 publicações no Twitter sobre os candidatos. A hashtag oficial da emissora esteve em uma a cada três publicações.

Já no penúltimo debate do primeiro turno, realizado na RecordTV, o número saltou para 1,1 milhão de menções no Twitter. A hashtag oficial da emissora esteve presente em mais de 176 mil publicações.

Para o presidente da Abratel, Márcio Novaes, a TV aberta foi essencial para o processo eleitoral. “As redes sociais apenas repercutem o que a TV aberta veicula. A TV desmente e esclarece as fake news produzidas e repercutidas na internet”, alertou.

Novaes ressalta, ainda, a TV como amplificadora das discussões. “Se não fosse o espaço oferecido ao assunto nas TVs, os resultados poderiam ter sido diferentes. É notório que houve um aumento das discussões nas redes sociais, mas é importante lembrar que os debates foram gerados a partir do que foi veiculado na televisão”, concluiu.

Por Assessoria de Comunicação da Abratel