Associação Brasileira de Rádio e Televisão

Custos globais de mídia de TV aumentam mais de 30% no pós-pandemia

Data: 4/8/2022
Veículo: PropMark

Nos Estados Unidos, CPMs de TV devem chegar a US$ 73,14 em 2022, aumento de 40% em relação aos preços registrados antes da Covid-19

O custo do investimento em mídia está aumentado no mundo e a TV é o meio que vem sofrendo com o maior impacto, segundo levantamento do serviço de inteligência em marketing Warc. Globalmente, os CPMs de TV (custo por mil) registraram alta 31,2% desde 2019, o maior percentual em mais de duas décadas. Em 2022, a elevação já está em 9,9o%.

O processo é notado principalmente nos Estados Unidos. Lá, os CPMs de TV devem alcançar US$ 73,14 em dezembro deste ano. O valor representa uma alta de  40,0% em comparação com os números de 2019.

O estudo traz ainda que algumas categorias têm experimentado com mais peso o novo cenário. Segundo dados da Warc Media, as marcas de alimentos investiram, em média, 79,8% de seus orçamentos em TV em 2019, e as do automotivo, 67,7%. Mantido o nível de aporte, até 2021 o volume de impressões teria caído 18 pontos percentuais.

Mídia digital também aumenta

A inflação dos meios também é sentida pelo mercado anunciante ao buscar audiências em canais digitais. Os CPMs de redes sociais tiveram alta de 33% entre 2019 e 2021 (fonte: Skai).

Também cresce o custo da publicidade em plataformas, como a Amazon, assim como os custos de anúncios over-the-top (OTT ou streaming de vídeo). Nos Estados, os desembolsos nos formatos avançados de TV devem subir em 9,9%, segundo Federação Mundial de Anunciantes (WFA).

Apesar das altas acentuadas nas principais mídias do mercado, alguns meios como rádio e OOH apresentam uma dinâmica diferente, relata o estudo. Na Austrália, o custo da mídia em rádio ao longo do ano está 1,1% abaixo dos níveis pré-pandemia. Nos Estados Unidos, o quadro praticamente não se alterou no intervalo dos três anos.

Acontece algo semelhante também OOH, levando em conta painéis estáticos e digitais. No Reino Unido, os preços de anúncios externos estão 3,1% mais baixos, e nos Estados Unidos, 5,8%.

Para Alex Brownsell, chefe de conteúdo da Warc Media e autor do relatório, afirma que à medida que a participação da TV linear no consumo total de mídia cai, as marcas procuram alcance em outros lugares.

“No entanto, a eficiência da entrega de alcance por meio de canais que não são de TV está sendo ameaçada pela inflação em todo o ecossistema de mídia”, afirma.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp