Associação Brasileira de Rádio e Televisão

parabolicas tv aberta

SET cria grupo de trabalho para migração das parabólicas

A migração dos sistemas das TVs parabólicas da banda C para banda Ku motivou a criação de um grupo de trabalho na Sociedade Brasileira de Engenharia e Televisão (SET). O grupo tem a coordenação de Wender de Sousa, engenheiro da Abratel e de Ana Eliza Faria e Silva, da TV Globo . O GT irá acelerar as discussões sobre a migração. A previsão de início dos trabalhos depende da criação do Gaispi (Grupo de Coordenação com representantes do governo, emissoras e operadoras) e da EAF, que é a entidade responsável pela execução das atividades. Os trabalhos vão envolver a elaboração de guias técnicos e o acompanhamento do processo dos sinais transmitidos da banda C para recepções domésticas com nova distribuição em banda Ku.

Souza defendeu a migração de usuários da banda C para a banda Ku como a única solução para essa questão envolvendo o leilão do 5G e a radiodifusão, liberando, assim, a faixa de 3,5 GHz para o uso da tecnologia. Segundo o engenheiro, a solução irá manter o acesso a TV aberta livre e gratuita à parcela mais carente da população.“A visão das TVs é que, indo para a frequência mais alta, compatível com antenas DTH (direct to home), não haverá preocupação futura caso a Anatel decida licitar também a banda C para a quinta geração móvel”, avaliou ele.

Questionado sobre os desafios do setor, o especialista da Abratel assegurou que a radiodifusão brasileira é uma das mais evoluídas e inclusivas no mundo. “Os desafios são grandes, mas a nossa pretensão também é grande. Nossa missão é manter o setor sempre atualizado e visando sempre um futuro melhor para o rádio e a TV”. A mudança atinge os serviçoes profissionais em Banda C, que necessitarão de filtos para sua preservação.

Raul Trindade
Assessoria de Comunicação da Abratel

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp