Search
Search

Disputa por espaço na Banda Ku faz emissoras cogitarem regulação da TV por satélite

Disputa por espaço na Banda Ku faz emissoras cogitarem regulação da TV por satélite

Compartilhe:
There is nothing to show here!
Slider with alias none not found.

Data: 24/8/2022
Veículo: Tele.Síntese

Migração da Banda C para a Banda Ku resultou em aumento dos canais que não são de radiodifusores, mas competem por espaço nos decodificadores dos usuários. Para a Abratel, é preciso regular isso. MCom diz que momento é de monitoração do problema

O setor de radiodifusão tem levado o governo demandas acerca da necessidade de regulamentar o serviço de TV aberta transmitida por satélite – conhecida por TVRO. O entendimento de interlocutores ouvidos pelo Tele.Síntese é de que a migração dos canais para a banda Ku acabou por agrupar canais com propostas diferentes: daqueles especializados em transmissões profissionais aos de emissoras que contam de fato com grade de programação e disputam audiência.

A TVRO não é um serviço regulamentado no Brasil. Surgiu com o passar dos anos, com a população sem acesso a TV terrestre descobrindo que podia captar o sinal enviado pelas emissoras cabeças de rede para as filiadas Brasil afora. Aos poucos, a base de parabólicas se multiplicou, e o segmento ganhou popularidade como alternativa em áreas sem a TV analógica tradicional.

No último leilão da Anatel, realizado em novembro, e em portaria de 2021 editada pelo Ministério das Comunicações, o serviço passou a ser considerado relevante a ponto de ser protegido por políticas públicas.

Agora, os radiodifusores defendem que se dê um passo a mais e a Anatel passe a regular quem pode ter licença de TVRO pra transmitir em banda Ku.

“Alguns representantes da radiodifusão se dizem preocupados com a situação, e já questionam se é o caso de regulamentar. Mas não há nenhuma minuta na mesa, os comentários sobre isso chegam a nós, mas nada de maneira organizada ainda. Então estamos monitorando”, afirmou o secretário de Radiodifusão do MCOM, Maximiliano Martinhão. Ele participou hoje, 23, do evento Set Expo 2022, em São Paulo (SP).

Samir Nobre, da Abratel, é um desses interlocutores. “No momento em que o processo [do leilão 5G] estava em discussão no TCU, já colocamos que não nos opomos a essa regulação. A posição continua a mesma. Mas havendo regulamentação, queremos fazer parte da discussão junto ao Ministério e junto à Anatel”, afirmou.

Segundo ele, ainda é cedo para listar as regras de uma regulação de TVRO. Mas um ponto, disse, precisará constar: “Tínhamos um número de canais na banda C que não eram de radiodifusores. E agora, com a ligação da banda Ku, estamos visualizando um aumento dos canais que não são de radiodifusores além daqueles previstos. Então é uma preocupação, e o entendimento da Abratel é que deveria haver um corte. Quem já estava na banda C deveria ter direito a ir para a banda Ku. Novos canais não deveriam ir para a banda Ku [nos satélites utilizados pelos radiodifusores]”, concluiu.

COMPARTILHE:
WhatsApp
Facebook
LinkedIn
E-mail
Imprimir
TÓPICOS:
Mais Lidas
Tribunais e Ministérios Públicos de Contas manifestam apoio à aprovação do PL das Fake News
STF adia para junho julgamento das ações sobre regulação de big techs
Nova diretoria da AESP foi eleita por aclamação
Rádio se mantém forte como meio de mídia, aponta pesquisa
The New York Times vai receber US$ 100 milhões do Google durante três anos
Informe Abratel

Abratel - Associação Brasileira de Rádio e Televisão

Atuamos na defesa da radiodifusão no Brasil e trabalhamos para a valorização e promoção do serviço de comunicação mais democrático do país.

Notícias Relacionadas