Search
Search

Em votação apertada Anatel retira outorga de TVA de empresa de Minas

Em votação apertada Anatel retira outorga de TVA de empresa de Minas

Compartilhe:
There is nothing to show here!
Slider with alias none not found.

Data: 23/6/2022
Veículo: Tele.Síntese

Central TVA teve recurso para adaptação da outorga para SeAC indeferido por três votos a dois

Recurso administrativo interposto pela Central TVA Televisão por Assinatura e Radiodifusão para adaptação da outorga do Serviço Especial de Televisão por Assinatura (TVA) para o Serviço de Acesso Condicionado (SeAC) foi rejeitado por três votos a dois, na reunião do Conselho Diretor da Anatel desta terça-feira, 21. Venceu a proposta do relator, conselheiro Moisés Moreira, a despeito da forte argumentação trazida pelo conselheiro Vicente Aquino, que havia pedido vista da matéria.

Na sua manifestação, Moreira afirmou que a empresa, sediada em Belo Horizonte, em Minas Gerais, falhou em apresentar documentações mínimas necessárias para uma eventual renovação de sua licença de espectro, que tinha vencido em 2019. Ele ainda pediu que a área técnica abrisse um processo de cassação da outorga.

Aquino, que antes tinha se manifestado pelo indeferimento do recurso, mudou de opinião e pediu vista da matéria. Em seu voto, argumentou que a outorga para prestação de um dado serviço não se confunde com a outorga de direito de uso de radiofrequência. Ainda que a primeira seja necessária para a obtenção da segunda, o contrário nem sempre é verdadeiro. Nem todo serviço de telecomunicações requer o uso de radiofrequência. Assim, os prazos de vigências de tais outorgas não são, necessariamente, coincidentes.

“Não me parece adequado extinguir uma dada autorização de serviço que tenha perdido uma de suas condições indispensáveis caso seja possível ao administrado regularizar sua outorga. É este, precisamente, o presente caso”, defendeu. Porém, foi vencido pelo voto contrário do conselheiro Emmanoel Campelo, que votou com o relator, e do voto já registrado pelo presisente-substituto Raphael Garcia. O conselheiro Artur Coimbra acompanhou o voto-visitante e Carlos Baigorri não pode votar.

Esse tema tem sido motivo de muito debate no Conselho Diretor. Outras empresas com outorga de TVA conseguiram a adaptação e tem outros processos tramitando.

COMPARTILHE:
WhatsApp
Facebook
LinkedIn
E-mail
Imprimir
TÓPICOS:
Mais Lidas
Tribunais e Ministérios Públicos de Contas manifestam apoio à aprovação do PL das Fake News
STF adia para junho julgamento das ações sobre regulação de big techs
Nova diretoria da AESP foi eleita por aclamação
Rádio se mantém forte como meio de mídia, aponta pesquisa
The New York Times vai receber US$ 100 milhões do Google durante três anos
Informe Abratel

Abratel - Associação Brasileira de Rádio e Televisão

Atuamos na defesa da radiodifusão no Brasil e trabalhamos para a valorização e promoção do serviço de comunicação mais democrático do país.

Notícias Relacionadas