Search
Search

Entidade pede a governos colaboração contra interferência do 5G em aviões

Entidade pede a governos colaboração contra interferência do 5G em aviões

Compartilhe:
There is nothing to show here!
Slider with alias none not found.

Data: 23/6/2022
Veículo: Teletime

Uma preocupação recente que afetou a implantação do 5G nos Estados Unidos agora tomou uma proporção internacional: a interferência do espectro da banda C com sistemas de segurança da aviação. Nesta semana, a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA, na sigla em inglês) decidiu em assembleia geral em Doha, no Qatar, fazer um pedido formal a governos do mundo todo para que trabalhem em “estreita colaboração” com o setor para permitir a coexistência dos serviços.

Em comunicado divulgado à imprensa nesta quarta-feira, 22, a IATA diz que reconhece a importância econômica da disponibilização do espectro para o 5G, mas que também é crítico manter a segurança de passageiros, tripulações e aeronaves. O próprio caso norte-americano foi citado pela entidade como algo a se evitar, mas a coordenação entre setores do Brasil, dentre outros, é um exemplo de eficiência para a associação.

“Não devemos repetir a experiência recente nos Estados Unidos”, declara o diretor geral da IATA, Willie Walsh, no comunicado, citando a interrupção dos serviços de aviação por risco de interferência nos radioaltímetros. “Na verdade, muitos países, como Brasil, Canadá, França e Tailândia, conseguiram gerenciar com sucesso os requisitos dos provedores de serviços 5G, incluindo as mitigações necessárias para preservar a segurança da aviação e garantir serviços ininterruptos”, completou.

Entre as medidas adotadas por governos estão a garantia de banda de guarda suficiente para separar a banda C do 5G da faixa de 4,2-4,4 GHz utilizada pelos radioaltímetros; estabelecer limites de potência e inclinação para baixo de antenas de 5G “principalmente nas proximidades de rotas de voo”; e mesmo proibir a rede móvel com a tecnologia em zonas de precaução ao redor de aeroportos. No Brasil, a Anatel promoveu estudos com a Embraer e em maio iniciou consulta pública, que ainda está aberta, sobre a questão.

A visão da IATA é que é necessária uma coordenação entre governos, agências reguladoras e setor de aviação para garantir que não aconteçam interferências. Por isso, estudos detalhados devem ser feitos antes da disponibilização do espectro em leilões.

Especificamente sobre os Estados Unidos, a associação critica a decisão da agência de aviação civil norte-americana (FAA) de que as empresas do setor aéreo deveriam modernizar e atualizar os equipamentos de radioaltímetro com recursos próprios. Segundo a entidade, o prazo estabelecido pela diretriz é apertado (até julho de 2023), ainda que a FAA sequer certificou tais equipamentos.

COMPARTILHE:
WhatsApp
Facebook
LinkedIn
E-mail
Imprimir
TÓPICOS:
Mais Lidas
Tribunais e Ministérios Públicos de Contas manifestam apoio à aprovação do PL das Fake News
STF adia para junho julgamento das ações sobre regulação de big techs
Nova diretoria da AESP foi eleita por aclamação
Rádio se mantém forte como meio de mídia, aponta pesquisa
The New York Times vai receber US$ 100 milhões do Google durante três anos
Informe Abratel

Abratel - Associação Brasileira de Rádio e Televisão

Atuamos na defesa da radiodifusão no Brasil e trabalhamos para a valorização e promoção do serviço de comunicação mais democrático do país.

Notícias Relacionadas