Search
Search

Minicom apoia antecipação do cronograma do 3G

Minicom apoia antecipação do cronograma do 3G

Compartilhe:
There is nothing to show here!
Slider with alias none not found.

Mesmo com os estudos sobre interferências ainda em andamento, o cronograma para o edital da faixa de 700 MHz está garantido para abril ou maio de 2014, segundo afirmou o ministro Paulo Bernardo a este noticiário nesta segunda-feira, 19. “A Anatel deve apresentar o edital talvez em setembro, o piloto, a minuta do edital, e deve ser publicado em dezembro”, disse. Segundo Bernardo, o cronograma para a cobertura 4G com essa faixa privilegiará as cidades onde não há conflito com a radiodifusão.

Perguntado sobre recentes declarações do presidente da Anatel, João Rezende, que ponderou sobre a possibilidade de antecipar o cronograma de obrigações de cobertura 3G com o edital de 700 MHz, Bernardo disse não ter conversado a respeito ainda, mas vê coerência no plano. “O 4G não vai chegar em todo o Brasil nos próximos quatro ou cinco anos”, justifica. “Vamos ajudar a fazer a antecipação”, garantiu. Ele disse que as operadoras não terão problemas em se adequar a essas novas condições. “Investimento faz parte. As pessoas estão comprando serviço, se não investir, (o setor) não vai dar conta de atender”.

O secretário de Telecomunicações do Minicom, Maximiliano Martinhão, concorda que adiantar o cronograma do 3G faz sentido. “Está com data para 2017, e anteciparia para 2016, 2015”, explica. “Não vi nenhuma versão final (da proposta) da Anatel, mas faz sentido, assim como faz sentido obrigar pela cobertura em rodovias, que é outra possibilidade”, detalha. Outra possibilidade é colocar as teles para contribuir com o processo de digitalização da TV, conforme portaria do ministério.

Cronograma negociado

Para liberar a faixa de 700 MHz, o cronograma do switch-off da TV analógica deverá seguir conforme o plano. Bernardo afirma que conversou com o setor de radiodifusão, que ficou de dar uma resposta para fechar o prazo. “Nossa proposta está feita. Mas se a radiodifusão falar que não, que tem que mudar esse (local) primeiro, depois outro, fazer algo, nós veremos”, disse. Esse cronograma deverá sair em breve: “Na semana que vem deve acontecer isso”.

Segundo Maximiliano Martinhão, dois estudos sobre possíveis interferências na radiodifusão, um desse setor e outro da Anatel, já estão mostrando as primeiras conclusões. “Os primeiros resultados dizem que existe um problema de pequena significância e que pode ser contornado com soluções técnicas”, diz o secretário de Telecomunicações do Minicom. “Estão fazendo testes aqui em São Paulo”.

Martinhão e Paulo Bernardo estiveram em São Paulo nesta segunda para uma cerimônia em homenagem ao ministro da Associação Brasileira das Empresas e Profissionais das Telecomunicações (Aberimest).

Fonte: Teletime – Bruno do Amaral

COMPARTILHE:
WhatsApp
Facebook
LinkedIn
E-mail
Imprimir
TÓPICOS:
Mais Lidas
Tribunais e Ministérios Públicos de Contas manifestam apoio à aprovação do PL das Fake News
STF adia para junho julgamento das ações sobre regulação de big techs
Nova diretoria da AESP foi eleita por aclamação
Rádio se mantém forte como meio de mídia, aponta pesquisa
The New York Times vai receber US$ 100 milhões do Google durante três anos
Informe Abratel

Abratel - Associação Brasileira de Rádio e Televisão

Atuamos na defesa da radiodifusão no Brasil e trabalhamos para a valorização e promoção do serviço de comunicação mais democrático do país.

Notícias Relacionadas