Search
Search

PGR arquiva investigação sobre zero-rating e violação à neutralidade de rede

PGR arquiva investigação sobre zero-rating e violação à neutralidade de rede

Compartilhe:
There is nothing to show here!
Slider with alias none not found.

Data: 02/12/2021
Veículo: TeleSíntese

A Procuradoria Geral da República homologou arquivamento de inquérito civil apresentado pelo Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social, para que o órgão apurasse se as práticas se zero-rating seriam supostas violações ao princípio da neutralidade de rede.  Para a PGR, não a prática comercial não demonstra configuração de violação à neutralidade de rede, prevista no Marco Civil da Internet.

Segundo a Anatel, quando consultada pela PGR, a prática configura uma estratégia comercial das empresas para garantir a manutenção da sua base de clientes ofertando vantagens para o acesso aos aplicativos mais utilizados pela população brasileira. A agência reguladora diz que com a queda das receitas com a prestação de serviços de telecomunicações, a adoção de novos modelos de negócio pelas operadoras se mostra importante em um mercado competitivo como o brasileiro.

Assim, o zero rating seria apenas um diferencial competitivo voltado a aumentar a base de clientes das operadoras que o adotaram e que, a teor do Marco Civil da Internet “não se deve, a priori, haver bloqueio ou desincentivo aos modelos de negócios das empresas“, explicou a Anatel à PGR.

Outro órgão consultado, o Ministério das Comunicações, encaminhou a Nota Informativa no 858/2020/MCOM, onde apresenta o posicionamento de que “dentro dos preceitos do Marco Civil, a discussão da neutralidade de rede não deve, a priori, envolver bloqueio ou desincentivo aos modelos de negócios das empresas, que se dão no âmbito de relações comerciais privadas entre os agentes da cadeia de valor da internet”.

A pasta entende que nesse sentido, “as práticas de zero rating são medidas estratégicas e econômicas praticadas pelas empresas do ramo de acesso à internet, sem que isso configure ofensa à neutralidade da rede”.

A Procuradoria-Geral da República também procurou a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), que disse que realizou pesquisa em sua base de dados e verificou que inexistem registros sobre o tema na Coordenação de Sanções Administrativas.

Por fim, o Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) afirmou que, de acordo com a legislação, a discriminação ou degradação de tráfego são medidas excepcionais, cabíveis somente para atender a requisitos técnicos indispensáveis à prestação adequada dos serviços e aplicações ou para priorizar serviços de emergência.

Também reconheceu que a prática do zero-rating pode também ser uma parceria entre operadoras e alguns provedores de aplicações, sem regras claras para que outros provedores também possam participar desse modelo, o que pode configurar, eventualmente e na análise do caso concreto, mesmo que não afete a neutralidade, abuso de mercado. Mas apontou que apenas na análise individualizada do caso concreto é que se poderá aferir se houve ou não violação à neutralidade de rede prevista no Marco Civil da Internet.

“(…) Em suma, a priori e no plano hipotético, não há como aferir se o zero rating fere de forma direta e frontal o princípio da neutralidade da rede, cuja conclusão, repetimos, depende da análise individualizada do caso concreto”, finalizou o CGI.Br na sua manifestação.

COMPARTILHE:
WhatsApp
Facebook
LinkedIn
E-mail
Imprimir
TÓPICOS:
Mais Lidas
Tribunais e Ministérios Públicos de Contas manifestam apoio à aprovação do PL das Fake News
STF adia para junho julgamento das ações sobre regulação de big techs
Nova diretoria da AESP foi eleita por aclamação
Rádio se mantém forte como meio de mídia, aponta pesquisa
The New York Times vai receber US$ 100 milhões do Google durante três anos
Informe Abratel

Abratel - Associação Brasileira de Rádio e Televisão

Atuamos na defesa da radiodifusão no Brasil e trabalhamos para a valorização e promoção do serviço de comunicação mais democrático do país.

Notícias Relacionadas