Associação Brasileira de Rádio e Televisão

Linguagem do rádio evoluiu para o ambiente multiplataforma

Data: 20/09/2021
Veículo: PropMark

Veio do rádio uma das mais célebres histórias da mídia no século 20. No dia 30 de outubro de 1938, uma rádio Columbia Broadcasting System (CBS) transmitiu A invasão dos marcianos , peça de radioteatro que foi confundida com um ataque alienígena verdadeiro. Na voz de Orson Welles, a adaptação do livro A Guerra dos Mundos , do escritor inglês Herbert George Wells, levou pânico à costa leste dos Estados Unidos. Mesmo após 83 anos, o episódio não deixa as dúvidas sobre o poder dessa mídia, hoje multiplicado pelo arsenal de ambientes multiplataforma.

“O rádio se adapta e se reinventa ano a ano. O contato mais próximo com o consumidor da notícia ajuda a atualizar a linguagem ”, pontua Danyane Custodio, chefe adsales da CNN Rádio, que entrou no ar em outubro de 2020. Interação, vínculo e intimidade são os diferenciais elencados. “O rádio nunca se afastou do cotidiano das pessoas”, lembra Danyane.

Enquanto os ouvintes ajudam a construir a programação ao vivo por meio das redes sociais e aplicativos de mensagens, o streaming deu cara a vozes já, despertando a curiosidade de quem recorre ao consumo on demand para saber o que acontece no estúdio. “A interação ao vivo ganhou o suporte das redes sociais, muito mais fácil e ágil do que o bom e velho telefone”, observa Maurício Kotait, vice-presidente comercial da CNN Rádio.

Danyane Custodio, chefe adsales: reinvenção ano a ano (Divulgação)

A evolução da linguagem exigiu que o profissional seja transmidiático. De locutores a influenciadores, os apresentadores transitam cada vez mais entre as plataformas. É o caso de Sidney Rezende, Thais Herédia e Lia Bock, que também apresentam o programa Nosso Mundo na TV .

Plataforma, dispositivo, conteúdo, intenção, atenção e afinidades definem a mídia desde o momento do encontro com o consumidor. “Esse processo de transmutação começou pela mídia impressa e, nesta última década, chegou à mídia eletrônica, iniciando pela TV e chegando ao rádio”, resume Kotait.

O rádio recriou a sua forma de comunicação por meio das plataformas de vídeo e da criação de conteúdo com boletins e conteúdo de marca, que na CNN Rádio encontra projetos realizados para bancos, governo, setores automotivo e de serviços. A transformação permite o cross media entre aparelhos, formatos e plataformas.

Maurício Kotait, VP comercial: transmutação (Divulgação)

“Por ser o meio mais veloz, o rádio conversa muito bem com o digital”, frisa Danyane. Daí o sucesso dos podcasts, uma das principais promessas de evolução do consumo de áudio. “Mas é um formato que anda sozinho e independente da rádio. O consumo de ambos se dá de forma bem distinta ”, adverte.

A CNN Rádio opera por meio de parceria com a Rede Transamérica na faixa FM entre 6h e 12h, e 18h e 19h. Carro-chefe, do CNN Manhã atinge uma média de 340 mil pessoas ao dia. Outro campeão de audiência é o Espaço CNN .

Com conteúdo ao vivo de hard news , uma CNN Rádio utiliza oito estúdios da Transamérica, e tem estruturas em São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro. São 50 repórteres, 10 analistas, seis executivos e 20 técnicos, além do apoio de 25 profissionais da Transamérica em áreas como marketing e negócios. Os conteúdos também estão disponíveis no YouTube e no canal da CNN Brasil, que já soma mais de 450 programas. Uma rede cobre 196 cidades com população potencial de 55 milhões de pessoas.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp