Search
Search

Ecad: TV continua na liderança do direito autoral à frente do digital

Ecad: TV continua na liderança do direito autoral à frente do digital

Compartilhe:
There is nothing to show here!
Slider with alias none not found.

O Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad) divulgou seu Relatório Anual 2022 da gestão coletiva – formada pelas associações Abramus, Amar, Assim, Sbacem, Sicam, Socinpro e UBC – que apresenta um grande retrato da música no Brasil.

A força da TV foi um dos destaques, em um período de alta do consumo de streaming no audiovisual. Segundo a publicação, o segmento foi responsável pela maior parte dos valores arrecadados no ano passado em direitos autorais de execução pública, com 32,5% de participação total.

Já o segmento de Serviços Digitais, que engloba Streaming de Áudio e Vídeo, veio logo atrás, em segundo lugar, com 22,8% da participação na arrecadação total do Ecad no ano passado. Na comparação com o ano anterior, houve um crescimento de 26%.

“A TV segue líder na arrecadação ao longo dos anos, o que, certamente, é um reflexo do consumo de mídia brasileira e do seu alcance no país. As TVs e o streaming no audiovisual têm sido destaques na indústria da música no que diz respeito aos rendimentos em direitos autorais. A gestão coletiva vem intensificando os esforços nas negociações de contratos com plataformas digitais e na conscientização contra a prática do buyout, que impede que compositores recebam os valores futuros pelas canções, já que eles renunciam a uma parcela importante de seus direitos. O ano de 2022 teve resultados positivos para quem vive da música, esperamos que 2023 seja melhor e vamos trabalhar para isso”, disse a superintendente executiva do Ecad, Isabel Amorim.

O Relatório Anual de 2022 mostra ainda que a instituição alcançou recordes na arrecadação e na distribuição totais de direitos autorais, com crescimento relevante também de segmentos de Shows, Música ao Vivo e Serviços Digitais.

Os dados apontam que o volume de rendimentos distribuídos a compositores e artistas chegou a aumentar mais de 36% em relação ao ano anterior. O repertório nacional recebeu 64% dos valores repassados na distribuição de direitos autorais, o que aponta para a forte característica do consumo de músicas brasileiras no país.

Foram contemplados mais de 316 mil compositores, intérpretes, músicos, editores e produtores fonográficos com a distribuição total de R$ 1,2 bilhão em direitos autorais, um aumento de 18% na quantidade de titulares de música em relação a 2021.    

“Com o avanço da tecnologia, teremos questões importantes relacionadas ao direito autoral e ao digital para acompanhar e participar em prol dos criadores da música. Por isso, a gestão coletiva está monitorando de perto os debates e as novidades e cumprirá sempre o que a legislação estabelecer”, avaliou Amorim.    

Arrecadação de direitos autorais em 2022

  R$ 1,3 bilhão no ano passado, um crescimento de 28,3% em relação a 2021;

– Os segmentos que mais se destacaram foram Shows e Eventos (309,5%), Cinema (132,6%) e Usuários Gerais (30,7%), que engloba restaurantes, hotéis, academias e outros estabelecimentos comerciais.    

Distribuição de direitos autorais em 2022

– Em 2022, o Ecad distribuiu R$ 1,2 bilhão em direitos autorais, o que representa um aumento de 36,6% em relação a 2021. Também houve crescimento dos segmentos de Shows (235%) e de Música ao Vivo (108%);

– Outro destaque foram os repasses de streaming de áudio e vídeo, que registraram um aumento de 60,49%.

Com informações do Ecad

COMPARTILHE:
WhatsApp
Facebook
LinkedIn
E-mail
Imprimir
TÓPICOS:
Mais Lidas
Fachada do TSE em Brasília
TSE pode requisitar tempo de rádio e TV para comunicados
radio-tv
Emissoras têm até o dia 20 para informar representante à Justiça Eleitoral
logo-jovem-pan
Homenagem aos 30 Anos da Jovem Pan FM
Abratel_Oficio-2-5
NOTA DE REPÚDIO
RECORD RIO
Marlene-Gomes-1
NOTA DE PESAR
Marlene Gomes
Informe Abratel
Loading...
1 2 22

Abratel - Associação Brasileira de Rádio e Televisão

Atuamos na defesa da radiodifusão no Brasil e trabalhamos para a valorização e promoção do serviço de comunicação mais democrático do país.

Notícias Relacionadas