Associação Brasileira de Rádio e Televisão

Homenagem da Abratel: 25 de Setembro – Dia do Rádio

Quando a televisão chegou ao Brasil em 1950, muitos apostavam no fim do rádio. Entretanto, contrariando essas expectativas, o rádio consolidou-se ainda mais como grande veículo de comunicação de massa.

Desde 1922, quando aconteceu a primeira irradiação oficial, do alto do corcovado, no Rio de Janeiro, a chamada “caixa mágica’ encantou os brasileiros e fez história no país.

“O rádio é o divertimento do pobre(..), e a informação dos que não sabem ler”, sob estas palavras Roquete Pinto, considerado pai da radiodifusão, enxergou no rádio um veículo que pudesse difundir a cultura e história brasileira. E ele estava certo.

As ondas curtas e médias ultrapassaram barreiras sociais e políticas. Pobres, ricos, intelectuais ou leigos, esquerdistas ou de direita. Todos se renderam a esta democrática e popular fonte de informação e diversão.

Da primeira transmissão para cá, muita coisa mudou e a Abratel não só faz parte desse processo, como também, trabalha de forma intensa com o objetivo de garantir a existência e o futuro do rádio.

Exemplo disso foi a vitória sobre a questão do horário de exibição do programa A Voz do Brasil no Nordeste. A Abratel conseguiu judicialmente que as rádios associadas veiculassem o programa em seu horário local. Tal determinação prejudicava a programação das rádios, pois a região não adotava o horário especial. Posteriormente, a União estendeu esse direito a todas as rádios que estavam na mesma situação. Com isso a associação extinguiu um problema que já existia há 68 anos.

Outra ação histórica da Abratel foi a negociação junto ao Ministério das Comunicações (Minicom) sobre a migração das rádios que operam em AM para a faixa FM. A Abratel obteve uma grande conquista para os seus associados e para as rádios de todo Brasil. A presidente Dilma deu ordem para que seja realizada essa mudança que irá beneficiar mais de 2.000 rádios (AM).

Homenagem da Abratel


“A Abratel quer homenagear todas as nossas associadas que fazem do rádio um dos mais importantes veículos de comunicação no Brasil. Emissoras que levam, gratuitamente, serviço, informação e entretenimento para as famílias brasileiras do maior ao menor município”.

Luiz Cláudio Costa
Presidente da Abratel

História da Radiodifusão – Brasil

Linha do Tempo

1922 – Já existem estações de rádio com programações regulares em quase todo o mundo, incluindo aí a Argentina, Canadá, União Soviética, Espanha e Dinamarca. Em 7 de setembro do mesmo ano, o discurso do presidente da República, Epitácio Pessoa, em comemoração ao centenário da independência do Brasil é transmitido via rádio, trata-se da primeira transmissão oficial pelo novo veículo de comunicação. Foram importados 80 receptores de rádio especialmente para o evento. Em outubro, nasce a britânica BBC (Britsh Broadcasting Company), em paralelo com as primeiras estações de rádio em Shangai, na China, e em Cuba.

1923 – A Itália nacionaliza o rádio por decreto real. Ainda em 1923, a França segue o exemplo e transforma o rádio em monopólio estatal. Edgard Roquete Pinto – considerado pai do rádio brasileiro – e Henry Morize fundam, em 20 de abril, a primeira rádio brasileira: a Rádio Sociedade do Rio de Janeiro, criada para atuar sem fins comerciais. Enquanto o Japão termina e regulamenta as leis de funcionamento do rádio optando por banir a publicidade neste meio de comunicação.

1926
 – No Japão, a criação da NHK (Nippon Hoso Kyokai) institui o monopólio no país – a companhia acaba incorporando as rádios privadas existentes. Nesta mesma época, no Brasil começa a operar a Rádio Mayrink Veiga, no Rio de Janeiro.

1934 
– Criada a SARBU (South American Radio Broadcasting Union), entidade que reúne o países latinoamericanos.

1935
 – Brasil, Argentina, Chile, Bolívia, Paraguai e Uruguai assinam tratado de cooperação técnica em radiodifusão.

1932 – O Decreto nº 21.111, de 1º de março, que regulamentou o Decreto nº 20.047, de maio de 1931, primeiro diploma legal sobre a radiodifusão define o rádio como “serviço de interesse nacional e de finalidade educativa”. No mesmo ano, o Decreto nº 21.111, autoriza a veiculação de propaganda pelo rádio, tendo limitado sua manifestação, inicialmente, a 10% da programação.

1935 – A Rádio Jornal do Brasil, do Rio de Janeiro, cria vários programas de notícias.

1936 – É fundada a brasileira Rádio Nacional do Rio de Janeiro, que foi a primeira em audiência por mais de vinte anos.

1940 – O Decreto-Lei nº. 2.073, do presidente da República, Getúlio Vargas, criou as Empresas Incorporadas ao Patrimônio da União, que entre outras encampou a Rádio Nacional, de propriedade do grupo A Noite. Em 1938, inaugurou-se o programa “A Hora do Brasil”.

1941 – Surge o Repórter Esso, criado pela Rádio Nacional, durante a II Guerra Mundial. O programa ficou no ar até 1968.

1942 – Criado o Grande Jornal Falado Tupi, da Rádio Tupi, de São Paulo. A Rádio Nacional do Rio de Janeiro leva ao ar a primeira radionovela: “Em busca da felicidade”.

1944 – A resistência é avisada, por intermédio da mensagens codificadas, de um iminente desembarque dos aliados na Normandia, no famoso Dia D.

1946 – Surgem os gravadores de fita magnética. O início da substituição das válvulas retificadoras por retificadores de selênio, material semicondutor em estado sólido muito menos propício a queimar do que as velhas válvulas a vácuo.

1954 – Chega o Regency TR1, primeiro rádio transistorizado do mundo, lançado nos EUA.

1985 – A japonesa Sony desenvolve um rádio do tamanho de um cartão de crédito.

1990 – Criada a Rede Bandeirantes de Rádio, a primeira do Brasil a operar via satélite com 70 emissoras FM e 60 AM em mais de 80 regiões do País.

2002 – Aprovada emenda constitucional que permite que empresas de comunicação sejam de propriedade de pessoas jurídicas e permite a entrada de capital estrangeiro no setor.

2007 – A Abratel conseguiu na justiça que os estados que não adotavam o horário de verão ou com diferença de fuso, tivessem o direito de manter o horário de exibição do programa às 19h na hora local.

2013 – A Abratel consegue sensibilizar o Ministério das Comunicações em relação a migração das rádios AM para FM e a presidente da república autoriza a mudança solicitada pela associação.

Por João Camilo
Ascom Abratel
Com informações da Info Escola e Minicom

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Notícias

Assessoria de Imprensa

Amanda Salviano

+55 61 3212-4686
+55 61 99112-5734

imprensa@abratel.org.br