Associação Brasileira de Rádio e Televisão

5G

Tecnologia 5G é liberada em Brasília

5G: Capital é a 1ª do país a oferecer a nova tecnologia

O sinal de tecnologia 5G foi ativado na última quarta-feira (6) no Distrito Federal. A operação é realizada na faixa de 3,5 GHz e foi autorizada pelo Grupo de Acompanhamento da Implantação das Soluções para os Problemas de Interferência na faixa de 3.625 a 3.700 MHz (Gaispi) na última segunda (4). A capital é a primeira do país a ter cobertura da quinta geração de internet móvel.

Em acordo com as decisões do leilão, as empresas devem oferecer o 5G standalone, também conhecido como 5G “puro”. O termo “puro” vem do uso de uma infraestrutura totalmente nova e dedicada à tecnologia, sem aproveitar a estrutura já existente para o 4G. Segundo a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), o serviço está disponível em 80% do território da capital federal. Para isso, mais de 100 estações foram espalhadas na região e receberam as antenas das operadoras de telefonia.

A expectativa é de que a rede 5G possibilite velocidades a partir de 1 gigabit por segundo (Gbps). Atualmente, a velocidade do 4G varia entre 13 Mbps e 80 Mbps. Entretanto, não são todos os aparelhos habilitados parareceber o sinal, pois é necessária compatibilidade com a frequência de 3,45 GHz. A tecnologia vai aumentar a capacidade de transmissão de dados e diminuir a latência, que é o tempo para que os dados cheguem ao destino.

Testes para evitar interferências

Desde o último sábado (2) foram realizados diversos testes no DF. As empresas da radiodifusão foram convidadas a participar dos testes de ativação para erradicar qualquer tipo de interferência captada. Isso para que assim que ativada, a tecnologia não causasse problemas na recepção do sinal de televisão. Os testes foram necessários porque as emissoras de TV aberta utilizam uma faixa próxima à liberada para o 5G.

A Associação Brasileira de Rádio e Televisão (Abratel) atuou diretamente no processo de testes. O assessor técnico da Abratel, Wender Souza, esteve presente na instalação dos filtros e acompanhou os testes. Segundo ele, foram necessários mais filtros do que o previsto anteriormente, mas que ao longo dos testes, os problemas de interferência observados foram solucionados.

“Inicialmente, nas estações receptoras que operam na faixa de frequência de 3,7 GHz até 3,8 GHz, a Siga Antenado instalou um filtro contra interferência do 5G com corte em 3,7 GHz e um LNB na faixa de 3,7 GHz até 4,2 GHz. Nas estações receptoras que operam de 3,8 GHz até 4,2 GHz, instalou-se um filtro contra interferência do 5G, com corte em 3,8 GHz, sendo mantido o LNB instalado na estação. Entretanto, os testes de convivência de campo que antecederam a ativação do 5G demonstraram que, no caso das estações que operam de 3,8 GHz até 4,2 GHz, seria necessário instalar novos LNBs para a faixa de 3,7 GHz até 4,2 GHz. Assim, em um segundo momento, após a troca dos LNBs pela Siga Antenado, foram realizados novos testes de convivência que não apontaram interferência”, contou Wender.

Setor econômico

Após o período pandêmico, o consumo de vídeo teve um salto. Segundo o vice-presidente da Firjan, Leonardo Edde, a contratação de novos funcionários no setor de audiovisual (cultura e mídia) é diretamente afetada pelas demandas de inovações tecnológicas “que alteram a forma como os agentes produzem, disseminam e consomem conteúdo”. Para Edde, a pandemia é a prova de como “aumentou o consumo e caiu a produção cultural”.

A tecnologia do 5G é fundamental para a chamada “economia 4.0”, termo referente à revolução tecnológica que acelera os novos hábitos de consumo de mídia ao redor do mundo. A inovação não se restringe a plataformas ligadas à internet, abrangendo também a radiodifusão. Já é perceptível o impacto, por exemplo, no rádio. Observando o comportamento da tecnologia em outros países, foi possível notar que houve avanço significativo no alcance digital através de iniciativas online, impulsionadas pela oferta de conexão entre os ouvintes. Houve também uma maior presença em novos dispositivos, como smartphones e smart speakers.

Assim como as demais empresas, o rádio pode experienciar novos benefícios operacionais com o avanço da conectividade, assim como novas formas de ganhos. Parte disso pode ser notada com uma legislação que possibilita o acesso gratuito à rádio e à televisão sem descontar do plano de internet. Para isso, medidas passam a ser tomadas no processo de fabricação dos novos aparelhos.

Instalação de filtro e LND pela EAF no sábado (2) | Foto: Record/DF
Instalação de filtro e LND pela EAF no sábado (2) | Foto: Record/DF
Filtro e LND instalados em antena na sede da Record Brasília | Foto: Abratel
Filtro e LND instalados em antena na sede da Record Brasília | Foto: Abratel
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp