Associação Brasileira de Rádio e Televisão

Rádio mantém sua hegemonia como opção de mídia nos carros

Números atualizados continuam apontando que o futuro (e presente) do rádio passa pela integração com as novas tecnologias, onde as estações podem obter novas vantagens conforme o hábito dos ouvintes muda.

E nos carros não é diferente: há um avanço significativo nas opções de mídia e interação tecnológica para motoristas e passageiros. A experiência do usuário fica no centro de qualquer inovação. Porém algo não parece mudar: a hegemonia do rádio nos veículos. E isso gera mais oportunidades.

São dois pontos principais na evolução tecnológica nos automóveis: as centrais de infoentretenimento avançam e os carros estão cada vez mais inteligentes. Os usuários desejam por isso, ansiosos por transformarem essas centrais em extensões de seus celulares, aproveitando a conectividade oferecida pelo sistema padrão da montadora ou via Android Auto/Apple CarPlay.

Novos hábitos são adicionados entre motoristas e passageiros, mas a audição de rádio segue predominante: para quem escuta áudio no carro diariamente, 87% do nosso tempo é gasto com rádio FM/AM (Share of Ear/Edison Research).

Uma reportagem produzida pela Audacy, destaca que o momento atual é bem diferente daquele observado nas décadas passadas. “Estamos muito longe dos dias em que a experiência de áudio no carro significava simplesmente aumentar o volume”, disse o diretor sênior do Audacy Insights, Reggie Shah.

“Toda a experiência sonora do carro agora é uma prioridade. Os motoristas desfrutam não apenas da música, mas de uma experiência de direção mais ampla. Com smartphones e painéis inteligentes, há mais opções do que nunca para personalizar o que ouvimos quando estamos na estrada”, destaca o executivo.

“Algumas marcas estão começando a adotar a interação de voz no anúncio, pedindo aos consumidores que digam ‘sim’ se quiserem mais informações, orientações ou um desconto”, diz Shah, que completa dizendo “a inovação no espaço de comércio [também] abre oportunidades para os motoristas comprarem seu café, pagarem pela gasolina e qualquer outra coisa que você possa imaginar no painel do carro – tornando a publicidade no carro ainda mais valiosa e acionável”.

E o rádio pode já explorar esses ambientes, mas passa por adaptações com o uso de dados, possível através do modelo híbrido de atuação.  Ainda ausência desse tipo de integração entre o on e o offline, como o rádio híbrido e o uso via streaming, as emissoras já podem recorrer ao RDS (Radio Data System) para incrementar o envio de mensagens e oferecer mais serviço através das centrais multimídia dos veículos, essas que estão cada vez mais com telas maiores e mais modernas.

Com informações do portal Tudo Rádio

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp